SE SEPARAÇÃO É INEVITÁVEL QUE TAREFAS APRENDER PARA CONTINUAR COM A VIDA COM MENOS SOFRIMENTO

Por mais que quem casa não o faz pensando em separação em alguns casos ela acontece e as pessoas envolvidas necessitam adaptar-se ao novo ciclo vital e desenvolver novas habilidades e novas aprendizagem. Contar com o apoio dos amigos ou familiares ou ajuda terapêutica é bem importante, mas é inevitável o sofrimento neste novo momento de vida. As pessoas podem enfrentar este momento de ruptura e buscar novos afazeres , tentar novos grupos de amigos, fazer coisas que deixou de fazer após o casamento por ser incompatível e continuar crescendo sozinho ou em novos relacionamentos, ou podem paralisar e fazer do divorcio um fator central para o resto da vida, vivendo com raiva ressentimento e desejo de vingança e as vezes adoecendo, tudo depende da escolha.
Quando as pessoas se casam aprendem a viver juntas compartilhar e dividir tarefas que são necessária para a manutenção da vida do casal. Com o tempo cada um vai exercendo seu papel neste sistema afim de torna-lo funcional e buscar um convívio harmonioso. Alguns casais conseguem , crescem no casamento e como pessoa e nesta dinâmica também cresce a relação afetiva amorosa que fortalece o vinculo , mas para outros isso se torna difícil e culmina na separação e então se faz necessário lidar com o fator emocional do rompimento , bem como aprender a conviver sozinho e desempenhar as tarefas que antes era dividida ou compartilhada. Para isso muitas vezes é prudente buscar auxilio de amigos familiares e terapeutas para que este período passe com menos sofrimento e com mais assertividade, mas sabendo que será um período de dificuldades e sofrimento.
Não importa quantos amigos a pessoa tenha nem como seus familiares estarão dando apoio , chega um momento do dia em que a pessoa se vê sozinha e sabe que terá que enfrentar sua vida e seguir sua história , assim terá que aceitar a separação e começa a romper emocionalmente com o casamento já terminado. Ao encontrar-se sozinho terá que dar conta do financeiro , da administração do lar, vida social e do cuidado com os filhos( tanto para quem fica com a guarda, quanto para aquele que se organiza para as visitas, cenários diferentes acontecem em cada um) isso pode ser assustador. Bem como pareceser difícil em um primeiro momento conviver sozinho em um mundo de relacionamento onde a maioria de seus amigos vivem em casal .Nesta fase necessita encontrar novos amigos, para substituir aqueles que eram amigos do casal, precisa encontrar novas atividades para não ficar pensando no ex-conjuge , no casamento fracassado e na solidão que parece irremediável. Cada pessoa neste momento pós divorcio tem atitudes diferentes alguns que conseguem concentra-se no trabalho como estratégia para lidar com este período, para outros a raiva vira o tema central e isto pode ser prejudicial para a busca do novo equilíbrio, outros acabam agarrando-se aos filhos como “tabua de salvação” e estas atitudes acabam prejudicando a trajetória de sua vida bem como a trajetória da vida dos filhos. No período pós divorcio é esperado a busca de ajuda.um bom terapeuta pode,ajudar o individuo a enfrentar o trauma da separação, lidando com as questões que surgem em relação “onde foi que eu errei”?o isolamente de se sentir sozinho, resolver eficientemente os assuntos práticos e tratar de uma porção de problemas emocionais de forma eficaz, que frequentemente incluem a custodia dos filhos ou as visita . mas se a pessoa tem dificuldade de entender o financeiro, sugere-se ajuda de um contador, se as dificuldades são com as tarefas domesticas a ajuda de amigos e familiares é sempre bem vinda , desde que não deixe as pessoas invadir sua vida e decidir ou fazer por voce , bem como para lidar com tarefas desconhecidas , buscar ajuda de quem sabe para orientá-lo faz necessário adaptar-se ao novo padrão de vida , algumas vezes a mudança de casa e também causa um transtorno. Os filhos ainda abalado pela separação precisa de estabilidade e segurança proporcionada , pelo ambiente, amigos e escola a que estão acostumados para poder superar a crise.
Entede-se que tanto para casar quanto para separa-se as pessoas necessitam estar conscientes estruturadas e preparadas para as exigências da nova vida, sendo responsável pelas tarefas necessárias bem como saber que a separação nos exime da responsabilidade de ser pai e mãe.

Psicóloga – Terapeuta Familiar e de Casal
Noemi Paulina Cappellesso Finkler
CRP 08/03539

Psicóloga – Terapeuta Familiar e de Casal
Elisa Mara Ribeiro da Silva
CRP 08/03543

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!