O QUE SE FALA E O QUE SE VIVE?

Todo o ano no dia 12 de junho aqui no Brasil comemoramos o Dia dos Namorados, e cada pessoa busca um jeito criativo, ou repetitivo, para demonstrar o seu sentimento. Muitas vezes ouvimos que o gesto dispensa a palavra. Neste dia muitas pessoas esperam dar ou receber sua manifestação de amor com gestos, palavras ou ambos. Mas será que nesses dias todos se sentirão felizes? O que um quer comunicar e o que o outro recebe será que é a mesma coisa? Qual o peso da palavra ou desse gesto?

Transitando no campo da subjetividade, sabemos que muitas vezes tentamos dizer o que sentimos, mas nem sempre a fala dá conta do que queremos dizer. É difícil comunicar o que se passa no mundo subjetivo. As expectativas nem sempre são correspondidas, pois as pessoas escutam e interpretam segundo sua forma de ser, de ver e sentir o mundo. Um diz uma coisa e o outro entende outra. Nesse dia, ainda, as pessoas recebem pela mídia, focada no comércio, a mensagem que o tamanho do presente é o que determina o tamanho de seu amor. Então, pessoas fazem sacrifícios se endividando para comunicar por meio de um objeto/presente o que sentem pelo outro e durante o resto do ano esquecem de criar uma sintonia com o parceiro em um ambiente de confiança onde possa expôr suas fragilidades e ser acolhido. No início do relacionamento as pessoas vivem mais a idealização. Cada um quer agradar o outro e quer também atender o ideal do outro, logo existem menos conflitos oriundos das divergências de ideias. Porém, a medida que a convivência aumenta e o relacionamento fica mais complexo, os conflitos tendem a se intensificar e o diálogo se faz necessário para o crescimento de cada um e do relacionamento. A palavra dita e a palavra ouvida com atenção e compreensão promovem o entendimento, um novo jeito de lidar com os conflitos e possibilita uma maneira de viver que agrada a ambos.
Como a palavra tem força e o entendimento é difícil, para que o amor cresça e o relacionamento evolua a terapia de casal é um bom caminho para desenvolver a escuta e a fala com respeito, admiração e empatia. Portanto, buscar a terapia pode ser um ótimo presente para Dia dos Namorados, e quem irá agradecer é a relação.

Psicóloga – Terapeuta Familiar e de Casal
Noemi Paulina Cappellesso Finkler
CRP 08/03539

Psicóloga – Terapeuta Familiar e de Casal
Elisa Mara Ribeiro da Silva
CRP 08/03543

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!